Quem Sou

Michelle Venturini

Psicologia Clínica e Psicanálise

 

Psicóloga clínica formada pela PUC-MG.

Formação em Psicologia Hospitalar, Psico-oncologia e Cuidados Paliativos pelo Hospital A.C. Camargo.

Título de Psicóloga Clínica especializada em psicopatologia psicanalítica contemporânea e Psicossomática.

Psicanalista de orientação lacaniana.

 

Iniciei trajetória compondo equipe multiprofissional em hospital geral e ambulatório de oncologia atendendo pacientes em tratamento e seus familiares. O processo de adoecimento e hospitalização comumente suscita sentimentos e questionamentos em todos os envolvidos nesta problemática. A escuta e intervenção de um analista oferece ao sujeito inserido neste contexto um espaço para lidar com as questões que vão para além do corpo adoecido.

 

Atuei em ambulatório de especialidades; período muito rico em que pude ampliar meus conhecimentos e manejo clínico acolhendo e tratando as demandas encaminhadas pelos profissionais com os quais trabalhei e dos pacientes acometidos por diversos transtornos psíquicos e quadros somáticos. Foi nesta ocasião direcionei meus estudos e pesquisas para a psicopatologia psicanalítica.

 

Experiência em atendimento a pacientes com transtornos alimentares, depressão, depressão pós-parto, pânico, transtorno bipolar, dependência química, alcoolismo, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno do déficit de atenção (TDA), quadro de stress, doenças de ordem somática, stress pós-traumático, fobias, ansiedades, entre outros quadros de psicopatologia.

 

Desde o início da trajetória profissional foi possível conciliar o atendimento nas instituições de saúde com os atendimentos em consultório particular. No momento atual me dedico   integralmente aos atendimentos  no consultório particular.

 

No consultório, além de receber as demandas vindas de outros profissionais ou instituições (escolas, empresas, etc.) recebo aqueles que desejam  “rever-se” e ampliar o conhecimento sobre si mesmos no intuito de lidar de uma outra forma com suas questões e histórias de vida. O início de um processo de análise pode se dar pelo aparecimento de um sintoma, por um acontecimento significativo, um incômodo ou insatisfação com a vida que está se levando. É um espaço singular que convoca a cada construir sua própria trajetória.

 

É sempre tempo de parar para pensar sobre as escolhas que foram feitas até o momento, se é essa a direção que deseja para a própria vida; sobre aquilo que se repete sem fazer muito sentido, mas que se repete; sobre as escolhas e atos, se estão na direção dos desejos; sobre os laços construídos; sobre o enfrentamento das dificuldades… Enfim, pensar nas questões subjetivas que influenciam a vivência das experiências cotidianas de cada um.